Metáfora do golfinho, da carpa e do tubarão

Se você é um empreendedor e quer alcançar o sucesso com sua marca precisa conhecer a brilhante metáfora criada por Dudley Lynch e Paul Kordis do Brain Technologies Institute.

Conforme a metáfora, existem três tipos de animais: as carpas, os tubarões e os golfinhos. A carpa é dócil, passiva e quando agredida não se afasta, nem mesmo revida. Ela se considera uma vítima, conformada com seu destino.

Na sua visão, alguém tem que se sacrificar, então, ela se sacrifica. Faz isso porque acredita que há escassez. Na prática, as carpas são aquelas pessoas que numa negociação sempre cedem, recuam, jogam o perde-ganha e perdem para que o outro possa ganhar.

Nesse mar também existe outro tipo de animal: o tubarão. Ele é agressivo por natureza, agride mesmo quando não provocado. Mas, o tubarão também crê que vai faltar. Acredita ainda que já que vai faltar, que falte para outro, não para ele.

Então, passa o tempo todo buscando vítimas para devorar porque acredita que podem faltar vítimas. E advinha quais são as vítimas preferidas dos tubarões? Acertou, as carpas. Tanto o tubarão como a carpa acabam viciados nos seus sistemas.

Já o terceiro tipo de animal é o golfinho. São dóceis por natureza. Mas, quando atacados revidam e se unem. Se um grupo de golfinhos encontra uma carpa sendo atacada, eles defendem a carpa e atacam os seus agressores.

Usando sua inteligência e sua astúcia, os golfinhos podem ser mortais para os tubarões. Eles nadam em torno e martelam, nadam e martelam. Usando seus focinhos bulbosos como clavas, eles esmagam metodicamente a "caixa torácica" do tubarão até que deslize impotente para o fundo.

Trazendo para o mundo empresarial, mais do que por sua perícia no combate ao tubarão, escolhemos o golfinho para simbolizar as nossas ideias sobre como tomar decisões e como lidar com épocas de rápidas mudanças. Quando não conseguem o que querem, os golfinhos alteram os seus comportamentos com precisão e rapidez, algumas vezes de forma engenhosa, para buscar aquilo que desejam. Eles buscam sempre o equilíbrio, jogam o ganha-ganha, procuram encontrar soluções que atendam às necessidades de todos.

Declaração que o golfinho faz para si mesmo:

"Sou um golfinho e acredito na escassez e na abundância. Assim como acredito que posso ter qualquer uma dessas duas coisas - é esta a nossa escolha - e que podemos aprender a tirar o melhor proveito de nossa força e utilizar nossos recursos de um modo elegante, os elementos fundamentais do modo como crio o meu mundo são a flexibilidade e a capacidade de fazer mais com menos recursos."

Se os golfinhos podem fazer isso, por que nós não?